jusbrasil.com.br
25 de Setembro de 2017

Como as lawtechs estão mudando a advocacia

Andressa Garcia, Advogado
Publicado por Andressa Garcia
há 2 meses

Assim como o e-commerce revolucionou o varejo, as lawtechs/legaltechs começam a alterar a relação das pessoas com o mundo jurídico, a dinâmica dos escritórios e a rotina dos advogados. Lawtechs ou Legaltechs, ambos nomes utilizados para as empresas do segmento, são startups focadas em criar produtos ou serviços para o mercado jurídico.

Diariamente surgem notícias que sugerem a substituição do advogado por computadores, porém isso parece ser um cenário improvável. Assim como ocorre com toda inovação, aqueles que se recusarem a adotá-la podem sofrer com uma menor competitividade no mercado, porém isso não significa uma substituição.

No entanto, parece ser consenso que as soluções desenvolvidas pelas lawtechs/legaltechs buscam explorar ineficiências encontradas no trabalho jurídico da forma como ele é realizado. Hoje, para facilitar as atividades diárias dos advogados e também democratizar o acesso das pessoas à justiça e o conhecimento de seus próprios direitos. Tanto é que um dos principais clientes dessas soluções são os escritórios.

Apesar disso, muitos desconhecem as soluções criadas pelas lawtechs/legaltechs, uma vez que a realidade jurídica ainda é muito distante da maior parte das pessoas que não está inserida neste meio.

A Tikal Tech apresenta uma série de soluções voltadas ao mercado jurídico. Dentre elas, destaca-se o Diligeiro, um serviço de correspondência jurídica, e o ELI, o primeiro robô advogado do Brasil, capaz de auxiliar o advogado na coleta de dados, organização de documentos, execução de cálculos, formatação de petições, acompanhamento de carteiras e rotinas de processo, emissão de relatórios inteligentes e interpretação de decisões judiciais para aumentar a produtividade do advogado.

A Dubbio, por sua vez consiste em uma plataforma que visa esclarecer dúvidas jurídicas e colocar o cidadão em contato direto com advogados especialistas na região onde vive. O usuário pode encontrar respostas para dúvidas jurídicas dos mais diversos temas, como aposentadoria, pensão alimentícia e divórcio, em uma linguagem clara, sem “juridiquês”.

O Jurídico Certo é especialista em criar conexões no mercado jurídico e o maior diretório de correspondência jurídica do Brasil. Os profissionais jurídicos se cadastram na plataforma do Jurídico Certo para atenderem as diligências e audiências solicitadas por escritórios de advocacia e departamentos jurídicos. Da mesma forma, cidadãos podem se conectar a advogados listados no diretório do site.

O LINTE é uma empresa de software e soluções para departamentos jurídicos trabalharem com contratos e processos de forma mais eficiente e inteligente. Fundada no Vale do Silício, a empresa está presente no Brasil desde 2015. Hoje a empresa oferece um sistema de automação de documentos, controle de fluxo de processos e contratos e um painel que consolida os principais indicadores do departamento jurídico.

O Sem Processo é uma plataforma online para intermediar acordos entre empresas e consumidores logo após identificado algum litígio entre as partes. Tudo começa quando o advogado prepara a petição, mas antes de partir para o litígio, insere-a na plataforma. Aí, a empresa analisa e decide se quer negociar um acordo. A celebração de um acordo antecipadamente, evitando a judicialização, reduz os custos financeiros e atende de maneira mais eficiente também o consumidor.

A Contraktor disponibiliza ao usuário um sistema online, o qual simplifica a maneira pela qual as empresas lidam com contratos. O foco principal da plataforma é a gestão do ciclo de vida completo de qualquer contrato que venha a ser celebrado pela empresa (desde sua etapa de rascunho, passando pela assinatura eletrônica, controle da vigência até o seu encerramento).

A Invenis oferece aos clientes uma tecnologia de alerta de novos litígios conectada diretamente aos sites dos diversos tribunais do país. A partir de uma inovação recentemente desenvolvida, passou a oferecer também o alerta de publicação de ações em tempo real baseado em filtros estabelecidos pelo usuário.

O Escavador é uma plataforma de mineração de dados públicos que visa facilitar o acesso dos usuários a informações públicas ao sistematizar referidas informações. O processo de mineração de dados consiste em agregar, organizar e estruturar os dados derivados de fontes públicas para que cidadãos comuns possam entender e ter acesso a essas informações.

O surgimento dessas novas soluções não significa que o mercado jurídico não adotava soluções de tecnologia antes. A Advise Brasil, empresa de tecnologia de Londrina/PR voltada para o mercado jurídico há mais de 15 anos tendo como principal produto o convênio desenvolvido com a OAB e a CAASP para recebimento de intimações online para advogados. Em virtude de seu tamanho e posição consolidada já não pode mais ser considerada como uma startup, porém é uma das empresas do setor que vê no surgimento de lawtechs/legaltechs a oportunidade de investir nessas empresas nascentes e de continuar inovando no setor.

Além de empresas de tecnologia, os próprios escritórios de advocacia já começam um movimento para se adaptar a essa realidade e estar à frente da adoção dessas soluções e assim inovar na gestão de seus escritórios. A SBAC Advogados atualmente incuba o Escavador, uma das principais lawtechs/legaltechs focadas na organização de dados disponibilizados em páginas públicas (também conhecido como mineração de dados), para que possam desenvolver algum tipo de solução que atenda às necessidades do escritório.

Além disso, o Veirano Advogados e Felsberg Advogados pretendem iniciar uma série de eventos para discutir as soluções desenvolvidas por essas empresas, como adotá-las e adaptá-las para a realidade dos escritórios e discutir sobre inovação no mercado jurídico, sendo o primeiro previsto para ocorrer no dia 17 de julho na sede do Veirano.

Acompanhando essa tendência, a academia também começa a verificar no movimento uma importância. A AB2L – Associação Brasileira de Lawtechs e Legaltechs, entidade que congrega os principais representantes desse setor, promoveu o seu evento de lançamento junto ao INSPER em São Paulo. A instituição já manifestou seu interesse em continuar acompanhando a evolução desta tendência.

Adicionalmente, começam a surgir investidores no país interessados no segmento. A e.Bricks Ventures, um dos maiores investidores em tecnologia no Brasil, está verificando atentamente as oportunidades disponíveis para investimento no setor.

Esse movimento vem respaldado pelo investimento realizado pelo Founders Fund, um dos maiores investidores em tecnologia no Vale do Silício localizado nos Estados Unidos, no Jusbrasil – uma lawtech/legaltech brasileira que já havia obtido investimento de outro fundo importante no Brasil, a Monashees Capital.

Fonte: Nybo, Eric. E-commercebrasil.

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)